captura-de-ecra%cc%83-2016-12-06-as-10-40-54Fechou-se a Porta Santa. E nós? Fechámos também o nosso coração? Que impacto teve, em cada um, a palavra “misericórdia” que foi utilizada, como nunca, durante este Ano Santo? Que obras de misericórdia praticámos?
Findo o ano, é hora de fazermos um pequeno balanço do que significou para nós este tempo. Cada um de nós é porta-voz da misericórdia de Deus. Todos sabemos que quem perdoa os nossos pecados, as nossas falhas, é Deus mas também sabemos que Ele nos pede que estejamos prontos a perdoar os outros, a desculpar as suas fraquezas, a dar mais uma oportunidade a quem precisa de misericórdia… Durante este ano tivemos mais presente as obras de misericórdia e tentámos pô-las em prática, transformando-nos e transformando aqueles que connosco contactaram. Tornamo-nos pois, instrumentos de misericórdia nas mãos de Deus…Concluído este tempo, temos de continuar com a porta do nosso coração aberta aos outros, pois só assim seremos portadores da alegria de Cristo.
Que a misericórdia que cada um de nós experimentou neste Ano Jubilar, permaneça no seu dia-a-dia e que a alegria dessa misericórdia nos leve mais além, nos faça ir ao encontro dos outros, nos ajude a viver as dificuldades da vida com alegria – a alegria de Cristo. Concluo com a frase com que iniciei esta pequena reflexão: Fecha-se a Porta Santa. E nós? Fechámos o nosso coração?

Ana Paula Jardim

Anúncios